CAPS realiza ações do Setembro Amarelo

 

A Secretaria Municipal de Saúde de Lagoa da Prata, por meio do Centro de Atenção Psicossocial (CAPS), intensifica neste mês os trabalhos de prevenção contra o suicídio. As ações fazem parte do ‘Setembro Amarelo’ – uma campanha mundial que visa as discussões sobre a valorização da vida.

No dia 10 de setembro aconteceu uma passeata nas ruas mais próximas à Praia Municipal. Participaram os usuários do CAPS junto com seus familiares, os profissionais da unidade, e até mesmo adolescentes que fazem parte do Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV). Um dos objetivos foi chamar a atenção das pessoas para que fiquem em alerta quando algum amigo ou familiar apresentar sinais de desejo do auto extermínio.

Logo após, os participantes foram recebidos no Salão Comunitário Imaculada Conceição para uma ‘roda de conversa’. Nesta ação, a equipe de psicólogos e a assistente social do CAPS falaram sobre as questões do suicídio, e abriram espaço para que o público fizesse seus questionamentos. As discussões foram principalmente acerca do apoio que deve ser dado a alguém que menciona vontade de suicidar e, claro, da importância de pedir ajuda quando se sentir nesta situação. De acordo com a psicóloga Eliana Delfino, mostrar para aquela pessoa que ela não está sozinha, dando atenção, apoio e bons conselhos reduz consideravelmente o risco do auto extermínio.

 

Administração 2017/2020 – De mãos dadas com o povo.

Secretaria de Assistência Social realiza Audiência Pública da Lei Orçamentária Anual

A Administração Municipal de Lagoa da Prata, através da Secretaria de Assistência, realizou na manhã do dia 30/08, Audiência Pública da Lei Orçamentária Anual. O evento aconteceu no Teatro Fausto Resende e contou com a participação de mais de 60 pessoas representando diversos setores da nossa sociedade: entidades assistenciais, conselheiros municipais, empresas parceiras, profissionais da Assistência Social e demais secretarias municipais.

Mais de 60 pessoas participaram, representando entidades assistenciais, conselhos municipais, entre outros setores da sociedade.

Esta audiência é feita anualmente, com o objetivo de apresentar à população o orçamento previsto para o ano seguinte. Nela, os participantes conhecem as propostas das ações planejadas pela secretaria na área da assistência social, e expõem suas demandas. De acordo com a secretária municipal, Cali Silva, a Assistência Social não é um gasto, e sim  investimento humano: “Nosso compromisso é efetivar uma política de dignidade social”, afirma.

Cali Silva, secretária municipal de Assistência Social, apresentou o orçamento previsto de quase 7 milhões de reais para 2020.

Será aplicado em 2020 o valor de R$ 6.850.000,00. “Este é o orçamento previsto para trabalharmos durante todo o ano com manutenção e investimentos em diversos serviços tais como CRAS, CREAS, Serviço de Convivência para Crianças e adolescentes, Conselhos Municipais, Serviço em Família Acolhedora, ações de enfrentamento ao Trabalho Infantil, Hortas Comunitárias, Conselho Tutelar e repasse para Instituições Sociais”, disse Cali.

Lista de 1° parcela do benefício do auxílio-transporte e data de apresentação de documentos

Conforme informado no comprovante de inscrição do estudante, a liberação da 1° parcela do benefício do auxílio-transporte está condicionada à apresentação dos documentos , até o dia 10/09/2019

Clique no arquivo abaixo e confira a lista, bem como os documentos exigidos:

 

CONTEMPLADOS AUXILIO TRANSPORTE 2º SEMESTRE 2019

Encontro de idosos

Os idosos atendidos pela Secretaria Municipal de Assistência Social através dos CRAS, unidades Chico Miranda e Marília, receberam na tarde dessa quarta-feira (31/07) visitas muito especiais. Vieram de Santo Antônio do Monte mais de 40 idosos que frequentam o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos de lá para um encontro recreativo na Praia Municipal, tendo como objetivo principal o fortalecimento da convivência social.

 

A tarde foi de relaxamento, abraços, cantoria, piquenique e muita troca de experiências boas. E para finalizar os integrantes receberam a personagem Dona Carismélia, uma idosa de 76 anos que “vive vivendo”, interpretada pela secretária municipal de Assistência Social, Cali Silva. Foi ao som de muitas gargalhadas dos idosos que a personagem trouxe reflexões que estimulam a convivência social e chamam a atenção para os cuidados com situações que podem violentar os direitos dos idosos e colocá-los em riscos.

CRAS e Serviço de Convivência promovem campanha antidrogas

 

O  Centro de Referência de Assistência Social (CRAS) e o Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos (SCFV)  de Lagoa da Prata promovem neste mês de julho um trabalho de prevenção combate ao uso de drogas, voltado para crianças a partir de 6 anos de idade até jovens de 18 anos. O tema da campanha é “Quem se informa não usa drogas”, com ações que já estão acontecendo através de discussões e cartazes, principalmente nas instituições que assistem pessoas em situação de vulnerabilidade social.

No dia 24 de julho, a policial cabo Rosali Mendonça, atuante no Programa Educacional de Resistência às Drogas e à Violência (Proerd), ministrou palestras em dois turnos, às 8h e às 14h, na quadra do SCFV (rua Maranhão, 120). Participaram crianças e adolescentes das associações Sara Aparecida e Francisco de Assis, da Amavi, do SCVF, os jovens aprendizes da Rede Cidadã, e as famílias assistidas pelo CRAS.

No dia 25 de julho, o ponto de encontro foi na Praça da Matriz São Carlos Borromeu, e esses jovens saírem em passeata pelas principais vias do Centro da cidade. De acordo com Márcia Cristina, o objetivo da campanha é levantar uma discussão para que a sociedade possa ouvir os adolescentes e saber o que eles têm de informações sobre esse assunto. “O tema da campanha ‘Quem se informa não usa drogas’ é justamente porque acreditamos que podemos trabalhar com informações para combater os problemas sociais causados pelo uso abusivo de drogas lícitas e ilícitas”, disse.

Franciara Castro, coordenadora do SCFV, também está envolvida na organização da campanha. Ela conta que o  motivo deste trabalho  atingir crianças a partir de 6 anos é porque, infelizmente, são muitas as situações de famílias utilizando drogas perto dos filhos.  “Precisamos iniciar a prevenção com as crianças, porque elas estão sendo muito expostas ao risco. Durante as nossas abordagens sociais fica claro que muitas pessoas tiveram início da dependência química por conta do envolvimento com usuários de drogas na própria família”.

Skip to content