O SAAE irá iniciar nos próximos dias de janeiro mais duas obras na cidade para conter os problemas das chuvas. Uma delas será na Avenida Isabel de Castro, no trecho que segue da Embaré para a Apae, com a duplicação da manilha que canaliza o Córrego Chico Silveira, o que irá dobrar a capacidade de escoamento de águas pluviais.

A outra que também vai começar neste mês é na Rua Rede dos Ferroviários, realizando trabalhos de canalização das águas escoadas das partes mais altas dos bairros Santa Helena e Maria Fernanda I, que é a região da Igreja São Sebastião. Com certeza, na próxima estação das chuvas, a população já irá perceber a melhoria.

Além dessas obras, que são de extrema importância, visto que as chuvas estão cada vez mais fortes causando inundações e transtornos para a população, várias outras de drenagem já foram realizadas pelo SAAE junto com a atual administração. Em setembro foi dado início às instalações das “barraginhas” dentro do Parque Ecológico Francisco Assis Resende, que fica entre a Praia Municipal e a Av. das Palmeiras, mais conhecida como Avenida do Contorno.

Barrajinha dentro do parque ao redor da Praia

As barraginhas irão filtrar a água da chuva que será coletada pelas caixas colocadas na avenida, de maneira que a enxurrada não irá mais assorear a lagoa. Isso trará vários benefícios, pois quando chove desce muita lama, prejudicando o meio ambiente e causando transtorno para as pessoas que caminham na orla da Praia, para os moradores do Sol Nascente, e também para os veículos que trafegam na pista.

 

 

 

Avenida Isabel de Castro

No mês passado foi concluído um projeto para prever obras que possam resolver de vez os problemas das inundações que acontecem no trecho entre a Embaré e o Bairro Cidade Jardim. Entretanto, de acordo com o diretor-adjunto do SAAE, Astácio Correia Neto, o custo previsto de R$ 33 milhões está fora do alcance do município, e demanda verba do governo federal. Neto disse que cabe também aos vereadores a tarefa de ajudarem na busca desses recursos com deputados, e que o SAAE irá se empenhar para viabilizar a execução desse projeto.

Quanto aos recursos que foram gastos com as drenagens já realizadas, o diretor ressalta que a administração municipal que mais investiu em obras de captação de águas pluviais, durante todo o tempo que ele atua no SAAE, é a atual gestão: “Eu estou há três décadas no SAAE e conheço bem a situação. Posso dizer que nunca houve uma administração anterior à do Paulinho e Roberto que fez tantos trabalhos de drenagem como eles estão fazendo”, elogia.

Neto explica que antigamente não eram exigidas obras de drenagem para novos loteamentos. “Há pouco tempo é que começaram a exigir pavimentação e rede de esgoto para as empresas colocarem novos lotes à venda, mas tinham esquecido de incluir nas exigências drenagem de águas pluviais. Além disso, os prefeitos anteriores não investiam nisso. Foi em 2013, no primeiro mandato desta gestão, que a drenagem passou a ser exigida das loteadoras e já existia um acúmulo de necessidades pela expansão da cidade. Neste mesmo ano a prefeitura já deu início a várias obras, começando pela Rua Paraíba, que na época era a mais problemática em inundações. Temos emergência porque estamos vivenciando situações atípicas de chuvas cada vez mais intensas”, disse o diretor.

 

Outras obras já realizadas

Dentre os trabalhos realizados pela atual administração municipal, junto com o SAAE, para melhorar o escoamento das águas pluviais, também estão:

– A Rua Paraíba era o ponto da cidade que mais dava problemas de inundação. Ela recebeu a primeira obra de drenagem de águas pluviais, em 2013, na primeira gestão Paulinho e Roberto.

 

– Colocação de caixas receptoras de água, mais pavimentação, na Rua Alagoas do Bairro Paradiso, com escoamento para o Córrego Chico Messias.

– No bairro Marília também tinha uma situação de muito alagamento, nas mediações da Rua Samuel Bernardes, em que foram feitas obras abrangendo parte do Bairro Paradiso, passando pela Rua Raul Gomes, Saint’Clair Doco e outras até a Creche da Embaré.

– Também no Paradiso, próximo à Ascalp, havia muitos alagamentos pelas águas que escoavam principalmente do Bairro Marília. Lá foi feita canalização começando no Córrego Chico Messias até onde o local onde está o comércio ‘Franguinho’.

– No Bairro Gomes, dois pontos onde aconteciam muitas inundações receberam os reparos, nas mediações do cemitério. Nas ruas Geraldo Silva e Aloísio Santana, e no final da Getúlio Vargas, próximo ao depósito da UD, onde os moradores tinham muitos problemas e agora foi resolvido.

 

 

 

Não há comentários para este post

Deixe uma resposta

Seu email não será publicado. Campos marcados com (*) são obrigatórios.